Há 108 anos, Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa a “conquistar” o direito ao voto

Há 108 anos, Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa, pioneira na Europa, a “conquistar” o direito ao voto

Carolina Beatriz Ângelo, médica, republicana e sufragista, foi a primeira mulher a votar em Portugal, nas eleições realizadas para a Assembleia Nacional Constituinte, no dia 28 de maio de 1911.

Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa a “conquistar” o direito ao voto

«Excluir a mulher (…) só por ser mulher (…) é simplesmente absurdo e iníquo e em oposição com as próprias ideias da democracia e justiça proclamadas pelo Partido Republicano. (…) Onde a lei não distingue, não pode o julgador distinguir (…) e mando que a reclamante seja incluída no recenseamento eleitoral».

Foi a 28 de maio de 1911, nas eleições para a Assembleia Constituinte, que Carolina Beatriz Ângelo entrou no Clube Estefânia, para exercer um direito que as mulheres ainda não haviam conquistado. O direito ao voto.

Carolina Beatriz Ângelo torna-se a primeira mulher portuguesa, pioneira na Europa, a “conquistar” o direito ao voto.

A primeira lei eleitoral da I República, publicada a 14 de março de 1911, reconhecia o direito de votar aos «cidadãos portugueses com mais de 21 anos, que soubessem ler e escrever e fossem chefes de família».

Carolina Beatriz viu nesta redação ambígua da lei a oportunidade de exercer o direito ao voto, invocando a sua condição de chefe de família após o óbito de seu marido Januário Barreto em junho de 1910.

Viúva, com uma filha menor a cargo, com mais de 21 anos e instruída, dirigiu ao presidente da comissão recenseadora do 2º Bairro de Lisboa um requerimento no sentido de o seu nome «ser incluído no novo recenseamento eleitoral a que tem de proceder-se»

A 28 de abril de 1911, o juiz João Baptista de Castro proferia uma sentença histórica e revolucionária ao incluir o nome de Carolina Beatriz Ângelo no caderno de recenseamento eleitoral.

«Excluir a mulher (…) só por ser mulher (…) é simplesmente absurdo e iníquo e em oposição com as próprias ideias da democracia e justiça proclamadas pelo Partido Republicano. (…) Onde a lei não distingue, não pode o julgador distinguir (…) e mando que a reclamante seja incluída no recenseamento eleitoral».

Ao referir-se a cidadãos portugueses, o juiz Castro considerou que a lei englobava homens e mulheres, “pois se o legislador tivesse intenção de as excluir tê-lo-ia manifestado de forma clara”.

Assim, a 28 de Maio de 1911, nas eleições para a Assembleia Constituinte, Carolina Beatriz Ângelo tornou-se a primeira mulher portuguesa a exercer o direito de voto.

A 28 de Maio de 1911, nas eleições para a Assembleia Constituinte, Carolina Beatriz Ângelo tornou-se a primeira mulher portuguesa a exercer o direito de voto.

 

Carolina Beatriz Ângelo, à direita, com a correligionária da Associação de Propaganda Feminista Ana de Castro Osório, no dia das eleições para a Assembleia Nacional Constituinte. 28 de maio de 1911.

 

Em 1913, a República mudou a lei e interditou o voto das mulheres. Em 1931, o voto é concedido pela primeira vez a mulheres com cursos secundários ou universitários. Esta limitação era apenas aplicada à mulher, o que significava que apenas uma escassa minoria podia efetivamente votar.

O direito de voto só foi efetivamente alcançado com a Revolução de 25 de Abril de 1974, tornando-se universal para todos os cidadãos e cidadãs maiores de idade.

Associação ACEGIS

A Associação ACEGIS reconhece-se enquanto entidade de referência nas áreas estratégicas da cidadania, inclusão, igualdade de género, empreendedorismo e inovação social.

Recomendamos!

Equilíbrio entre a vida profissional e familiar para todos/as

Melhorar as condições para que os pais e os cuidadores/as familiares que trabalham possam conciliar melhor a sua vida profissional e familiar exige uma mudança social, cultural e organizacional ajustada ao mercado de trabalho. Esta mudança só é possível se toda a sociedade assumir o compromisso coletivo de garantir condições de trabalho equitativas num mundo do trabalho em rápida evolução

Diversidade Cultural, património comum da humanidade

Promover os valores da dignidade do ser humano, a solidariedade, a tolerância e o respeito pela diversidade e pelo diálogo intercultural são os grandes desafios de hoje, desafios esses que podem mudar o mundo de amanhã.

Lei da Igualdade Salarial entre homens e mulheres entra em vigor

Com entrada em vigor da nova passa ser obrigatório assegurar a existência de uma política remuneratória transparente e que assegure a igualdade salarial entre a homens e mulheres.

Comunidade LGBTI na Chechénia enfrenta “nova onda de perseguição”

Comunidade LGBTI na Chechénia enfrenta "nova onda de perseguição". Cerca de 40 pessoas foram presas e pelo menos duas morreram torturadas.

Maioria das vítimas de discriminação ou crimes de ódio não apresenta queixa

Barómetro da APAV/Intercampus revela que mais de metade dos casos de discriminação e de crimes de ódio não são reportados às autoridades competentes. Os dados foram apresentados no Dia Europeu da Vítima de Crime.

Relatório GREVIO | Portugal e a violência contra as mulheres

Relatório do Grupo de Peritos para o Combate à Violência contra as Mulheres e a Violência Doméstica (GREVIO) alerta para a baixa taxa de condenações nos casos de violência doméstica.

17 de maio – Dia Internacional Contra a Homofobia, Lesbofobia e a Transfobia

A homossexualidade ainda é crime em 72 países, e em oito continua a ser punida com a pena de morte. Compete aos Estados combater o preconceito e proteger vidas humanas, independentemente da orientação sexual ou identidade de género.

Human Rights Watch critica “silêncio” de Guterres sobre direitos humanos

Falar, denunciar e agir pelos direitos humanos nunca foi fácil. Mas temos a responsabilidade de salvaguardar os valores da igualdade e da universalidades dos direitos humanos. É em nome desses valores que devemos permanecer sempre vigilantes e sem medo.

Jogo Educativo - Cidadania 4 KIDS!

São jogos, quebra-cabeças, puzzles, sudokus e mais, muito mais!

45 Cartas Educativas em 4 Áreas Temáticas: Cidadania, Direitos Humanos, Direitos da Criança e Ambiente.

Acreditamos que a Educação para Cidadania pode transformar o mundo. Faça parte da nossa missão transformadora!

Ao COMPRAR está a APOIAR a Associação ACEGIS. 100% Português. 100% Solidário

Deixe-nos o seu comentário ou sugestão

%d bloggers like this: