Democracia 45 Anos Depois: 25 de abril

Quarenta e cinco anos depois, subsistem os privilégios injustificados. Subsiste uma casta que apregoa a meritocracia e que se alimenta de privilégios, do capital económico, social e mediático, conduzindo à eterna reprodução das desigualdades sociais na sociedade portuguesa.

Democracia 45 Anos Depois: 25 de abril

A fragilidade das democracias aumenta à medida em que o poder económico, social e a riqueza fica cada vez mais concentrado, enfraquecendo a mobilidade e a inclusão social e hipotecando o futuro das próprias democracias.

A Revolução de Abril restituiu aos Portugueses/as direitos e liberdades fundamentais, reconhecendo o primado da dignidade da pessoa humana, da liberdade e da igualdade através da consolidação do Estado de direito democrático.

Uma sociedade verdadeiramente democrática tem de ser inclusiva em termos de poder, representação e participação de todas as pessoas. Sendo que o desenvolvimento social e económico das sociedades democráticas não são sustentáveis se os direitos humanos não forem assegurados e as desigualdades reduzidas.

“Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual” ( Artigo 13º da Constituição da República Portuguesa).

Mas a legislação, por si só, não é suficiente. É necessário garantir que todos os cidadãos e cidadãs gozem dos direitos e liberdades fundamentais. E que o elemento mais determinante da justiça e da coesão social seja efetivado: a igualdade de direitos e de oportunidades.

Um facto marcante da sociedade atual, portuguesa e europeia, reside na profunda falta de confiança que as pessoas têm no futuro e no funcionamento das instituições democráticas.

As desigualdades em termos de riqueza e de rendimentos têm estado a aumentar ao longo de várias décadas, e não é apenas resultante da crise económica e financeira. A verdadeira crise resulta da forma desproporcional como a distribuição da riqueza destrói a vida de milhares de pessoas que não encontram um futuro melhor em termos económicos e sociais. E que, por essa via, tem conduzido à erosão da coesão social.

A fragilidade das democracias aumenta à medida em que o poder económico, social e a riqueza fica cada vez mais concentrado, enfraquecendo a mobilidade e a inclusão social e hipotecando o futuro das próprias democracias.

A esta fragilidade do sistema democrática acrescento uma perigosa desilusão: a subsistência dos privilégios, do caciquismo e das castas ancorada na ideia da meritocracia, tornando-se no principal argumento e justificação de perpetuação das desigualdades.

Quarenta e cinco anos depois, subsistem os privilégios injustificados. Subsiste uma casta que apregoa a meritocracia e que se alimenta de privilégios, do capital económico, social e mediático, conduzindo à eterna reprodução das desigualdades sociais na sociedade portuguesa.

A democracia encontrou na meritocracia o terreno fértil para naturalizar a pobreza, e justificar mais, e não menos, desigualdades sociais.

Nenhuma democracia pode prosperar sem reduzir as desigualdades e impulsionar a mobilidade económica e social dos indivíduos.

Nenhuma democracia pode prosperar sem garantir a igualdade de direitos e de oportunidades a todas as pessoas, na qual, as origens socioeconómicas, familiares ou pessoais não sejam um factor determinador da condição e do futuro de cada um/a de nós.

Para conseguirmos uma verdadeira mudança é urgente a tomada de consciência dos mecanismo sociais (re)produtores das desigualdades e da discriminação, no sentido de garantir um futuro colectivo com maior equidade, solidariedade e coesão social. Essa é a Revolução de Abril que ainda falta concretizar.

Associação ACEGIS

A Associação ACEGIS reconhece-se enquanto entidade de referência nas áreas estratégicas da cidadania, inclusão, igualdade de género, empreendedorismo e inovação social.

Recomendamos!

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, setenta anos depois

As políticas de migração e asilo abandonaram há muito tempo uma abordagem baseada nos direitos humanos. A esta incapacidade soma-se o avanço do populismo e dos movimentos anti-imigração que potenciam a ideia de ameaça das fronteiras. Migrantes e refugiados: o rosto da violação dos direitos humanos.

Nove mulheres assassinadas desde o início do ano. Até quando?

Em apenas 35 dias, nove mulheres foram assassinadas em contexto de violência doméstica. Apesar dos progressos significativos, das legislações e dos programas desenvolvidos para erradicar a violência contra as mulheres, ainda subsiste a perceção de que o assédio, os ciúmes e a violência contra as mulheres são normais e aceitáveis.

Violência contra as Mulheres: A necessidade de quebrar o ciclo da violência

Seja em casa, na rua, no trabalho ou em conflitos armados, a violência contra mulheres e meninas é uma violação dos direitos humanos que ocorre em espaços públicos e privados. Em todo o mundo, uma em cada três mulheres ou raparigas já sofreram violência física ou sexual durante a sua vida, sendo que na maioria dos casos foi cometida pelo seu parceiro.

Pobreza Infantil: 25 milhões de crianças em risco de pobreza e exclusão social na Europa

Atualmente, quase 25 milhões de crianças na União Europeia vivem em agregados familiares com baixos rendimentos, em que as condições de vida são inaceitáveis e a fome é frequente.

Evolução recente dos indicadores de pobreza e de exclusão social

A erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável.

Portugal: 2,6 milhões de pessoas vivem em risco de pobreza e exclusão social

Uma em cada quatro pessoas vive em situação de pobreza ou exclusão social - 25,1%. Maior impacto é sentido por mulheres (26%) e crianças (27%).

Combater a escravatura dos tempos modernos: 40,3 milhões de vítimas em todo o mundo

O século XXI ainda não erradicou a escravatura. Hoje existem mais pessoas em situação de escravidão do que em qualquer outro momento da história. Em todo o mundo, 40,3 milhões de pessoas vítimas da escravatura moderna.

Jogo Educativo - Cidadania 4 KIDS!

O Jogo Educativo – Cidadania 4Kids é um jogo educativo que foi pensado em desenvolver de uma forma lúdica competências e conhecimentos tendo como referência os valores da cidadania, da igualdade, da liberdade, dos direitos humanos, da tolerância e da paz.

São jogos, quebra-cabeças, puzzles, sudokus e mais, muito mais!

 

 

 

Uma forma divertida de aprender Cidadania, Ambiente, Direitos Humanos e os Direitos da Criança.

Jogo produzido e desenvolvido pela Associação ACEGIS, sem qualquer apoio empresarial ou financiamento. Apenas a nossa vontade de mudar o mundo!

Ao COMPRAR está a APOIAR a Associação ACEGIS. 100% Português. 100% Solidário

Deixe-nos o seu comentário ou sugestão

%d bloggers like this: