Maioria das vítimas de discriminação ou crimes de ódio não apresenta queixa

Barómetro da APAV/Intercampus revela que mais de metade dos casos de discriminação e de crimes de ódio não são reportados às autoridades competentes. Os dados foram apresentados esta sexta-feira, Dia Europeu da Vítima de Crime.

Barómetro da APAV revela que maioria das vítimas de discriminação e de crimes de ódio não apresenta queixa às autoridades competentes

O barómetro APAV/Intercampus sobre “Perceção da População sobre Discriminação e Crimes de Ódio”, foi divulgado hoje – Dia Europeu das Vítimas de Crime

O barómetro da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) e Intercampus  “Perceção da população sobre discriminação e crimes de ódio”, revela que 97% das 810 pessoas inquiridas conhecem ou já ouviram falar de discriminação, crime de ódio ou violência discriminatória.

No entanto, a maioria dos crimes continuam a não ser denunciados ou objeto de qualquer processo judicial.

Mais de metade das pessoas inquiridas que admitiram ter sido vítimas ou conhecer quem tenha sido vítima não apresentaram queixa às autoridades competentes.

 

Os dados do barómetro mostram que, entre as 784 pessoas (97%) que admitiram conhecer ou já ter ouvido falar destes conceitos, 31% disseram conhecer alguém que já foi vítima de algum desses atos, enquanto 7% revelaram  já terem sido vítimas. 

Por outro lado, 64% afirmaram ter sido vítimas ou conhecer alguém vítima de discriminação, 21% de crimes de ódio/violência discriminatória e 14% de ambos.

Quando questionados/as sobre que práticas discriminatórias aconteceram, 31% referiram impedimento ou limitação ao acesso e exercício normal de uma atividade económica,  28% falaram em recusa no acesso a locais públicos ou abertos ao público e 18% recusa de acesso a bens e serviços, sendo a principal motivação identificada como origem racial / étnica.

 

Etnia, Orientação Sexual e Identidade de Género no topo das queixas

 

Com base nos resultados do barómetro, as pessoas queixam-se, na sua maioria, de que foram discriminadas tendo por base preconceitos relacionados com origem racial/étnica (30%), orientação sexual (19%) ou a identidade de género (16%).

Maioria das vítimas de discriminação e de crimes de ódio não apresenta queixa às autoridades competentes

 

Uma elevada percentagem de pessoas (52%) que disseram não ter feito queixa às autoridades, 28% das quais porque não deram importância à situação, mas também porque não sabiam como o fazer (5%) ou porque não sabiam se era crime (10%).

Sobre a ocorrência de Crimes de Ódio / Violência Discriminatória os comportamentos maioritariamente identificados foram Insultos ou agressões verbais (55%) e agressões físicas (41%), também na sua maioria motivados pela origem racial / étnica.

O contexto de ocorrência dos crimes é maioritariamente identificado como via pública (44%), sendo a residência da vítima e o local de trabalho da vítima também identificados com alguma expressão (23% e 19%, respetivamente).

 

Os resultados do barómetro da APAV/Intercampus foram apresentados esta sexta-feira de manhã, Dia Europeu da Vítima de Crime, no âmbito do seminário-debate sobre crimes de ódio promovido pela APAV. 

Associação ACEGIS

A Associação ACEGIS reconhece-se enquanto entidade de referência nas áreas estratégicas da cidadania, inclusão, igualdade de género, empreendedorismo e inovação social.

Recomendamos!

Ser negro na europa é frequentemente sinónimo de racismo, más condições de habitação e maus empregos

De acordo com o relatório da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA),a população negra na Europa enfrenta dificuldades inaceitáveis em coisas tão simples como encontrar um sítio para viver ou um emprego digno devido à cor da sua pele.

Aumentou o número de queixas de racismo e xenofobia em Portugal

A nova lei de combate à discriminação entrou em vigor em 2017. Desde então, as queixas de racismo e xenofobia aumentaram, atingindo o maior número de sempre em Portugal.

A discriminação exclui e alimenta-se dos discursos de ódio e da intolerância

Os esforços para combater os ódio, o preconceito, o racismo e a discriminação só podem ter êxito dando visibilidade às vítimas. Todas as pessoas têm o direito de viver sem discriminação.

A democratização dos discursos de ódio e da intolerância

A democratização dos discursos de ódio e da intolerância legitimados em discursos políticos são agressões colectivas contra os direitos humanos e um ataque aos alicerces das nossas democracias.

%d bloggers like this: