A democratização dos discursos de ódio e da intolerância

A democratização dos discursos de ódio e da intolerância

A democratização dos discursos de ódio e da intolerância legitimados em discursos políticos são agressões colectivas contra os direitos humanos e um ataque aos alicerces das nossas democracias.

A discriminação, a intolerância e os discursos de ódio não são apenas agressões e crimes individuais. São agressões colectivas contra os direitos humanos.

Como humanidade temos a obrigação de garantir a universalidade da igualdade de direitos e da igualdade de oportunidades enquanto valores fundamentais.

Celebramos, este ano, o 70.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas que consagra logo no primeiro artigo a universalidade da igualdade de direitos a todos os seres humanos.

Ninguém contesta a importância da defesa da dignidade humana e dos direitos humanos enquanto alicerces da democracia sobre o qual se funda o edifício do Estado de direito.

É isso que distingue a civilização da barbárie. Uma sociedade caracterizada pelo pluralismo, a não discriminação, a tolerância, a justiça, a solidariedade e a igualdade.

 

A democratização dos discursos de ódio e da intolerância legitimados em discursos políticos são agressões colectivas contra os direitos humanos e um ataque aos alicerces das nossas democracias.

Discursos de cariz odioso não podem ter lugar nas sociedades democráticas do século XXI, continuaremos a combatê-los e a contestar os preconceitos e as causas mais profundas da intolerância e da discriminação.

Nomeadamente, condutas e discursos que incitem à violência e ao ódio que representam um retrocesso na afirmação dos direitos humanos e motiva o aumento da discriminação e do preconceito.

 

Entendemos por isso que a defesa da dignidade humana e dos direitos humanos é mais importante do que nunca. As nossas sociedades enfrentam desafios fundamentais na luta contra o fundamentalismo e a discriminação, baseada no medo, na insegurança e na intolerância.

 

A derrota do radicalismo, do fundamentalismo e da intolerância apenas será possível mediante a união e o diálogo entre todas as partes para defender os valores universais que promovam a paz, a solidariedade e o respeito pela dignidade humana entre as gerações e os povos.

 

Se queremos ter futuro, temos que participar na sua construção, aprendendo com os erros do passado, não os repetindo, combatendo por todos aqueles/as que precisam de nós, hoje e agora.

Temos nas nossas mãos a possibilidade de reescrever a história e de construir a mudança para as gerações futuras: transformando as ditaduras em democracias, a repressão em liberdade, as diferenças em diversidade e o ódio em tolerância.

 

 

 

Temos a responsabilidade histórica de travar as divisões da sociedade, de abrir caminhos à inclusão e de garantir a universalidade dos direitos humanos.

Rejeitando os discursos de ódio, da xenofobia e do preconceito. Defendendo o direito universal de viver em igualdade, sem discriminação, respeitando a dignidade e os direitos humanos.

 

A construção de uma sociedade onde a tolerância é respeitada, a união se faz pela diversidade e a paz é construída, só é possível se garantirmos a universalidade dos direitos humanos.

 

por Susana Pereira

Fundadora da Associação ACEGIS

Cidadania 4Kids! Um jogo desafiante que ensina às crianças os valores da cidadania, da igualdade, dos direitos humanos e a educar por um ambiente mais sustentável e ecológico.

São jogos, quebra-cabeças, puzzles, sudokus e muito mais!

Jogo Educativo | Cidadania 4 KIDS

Cidadania. Ambiente. Direitos Humanos. Direitos da Criança.
%d bloggers like this: