Serena Williams: o feminismo não é uma luta por privilégios ou de dominação

Serena Williams: o feminismo não é uma luta por privilégios ou de dominação.

O feminismo de privilégios ou de dominação das mulheres em nada difere do sistema patriarcal, um modelo de poder e de dominação, contra o qual o movimento feminista sempre lutou.

A final feminina de US Open, entre Serena Williams e Naomi Osaka, ficou marcada pelas acusações de discriminação e sexismo ao árbitro português Carlos Ramos.

A tenista, de 36 anos, acusou o árbitro de sexismo, além de o chamar de “ladrão” e “mentiroso”, por este a ter penalizado por ter recebido conselhos do treinador durante a partida, o que não é permitido. Serena Williams alega que a penalização que sofreu deve-se apenas ao facto de ser mulher:

“Há muitos homens aqui mesmo que diriam muita coisa, mas só porque são homens isto não lhes acontece“.

 

As acusações de Serena Williams de discriminação e sexismo ao árbitro são um exemplo claro da instrumentalização do feminismo que não pode ser usado como desculpa para o comportamento e a derrota em campo. 

 

A naturalização de que nos movemos sempre perante um paradigma “sexista e discriminatório" é uma armadilha na defesa dos valores da igualdade e dos direitos das mulheres.

Um dos efeitos perversos, conducente ao empobrecimento da luta pelos direitos das mulheres, reside precisamente na adoção de uma perspetiva unilateral e de dicotomias hierarquizadas homem/mulher ainda presente na nossa sociedade.

 

A expressão “direitos das mulheres” indica, antes de mais, um princípio e um direito universal: o da igualdade de direitos e de oportunidades entre homens e mulheres.

O raciocínio do paradigma igualitário, presente nos designados “novos movimentos feministas”, pode levar-nos a aceitar acriticamente que as mulheres são sempre vítimas, instrumentalizando a luta pelos direitos da mulher num contrapoder e em novas formas de dominação simbólica. 

 

Todas as formas de opressão e de desigualdade são historicamente marcadas na construção de binómios e hierarquias que marcaram as relações sociais e de poder entre homens e mulheres.

Um dos ensinamentos do feminismo é precisamente recusar todas as formas de opressão, de desigualdade e de privilégios na reprodução de modelos normativos de dominação.

Temos por isso, a responsabilidade histórica, de não transformar a luta feminista numa luta pela dominação das mulheres em substituição pela dominação masculina.

 

O feminismo de privilégios ou de dominação das mulheres em nada difere do sistema patriarcal, um modelo de poder e de dominação, contra o qual o movimento feminista sempre lutou.

Serena Williams: o feminismo não é uma luta por privilégios ou de dominação. Feminismo é defender a igualdade de direitos e de oportunidades entre homens e mulheres.

 

por Susana Pereira
Fundadora da Associação ACEGIS

Cidadania 4Kids! Um jogo desafiante que ensina às crianças os valores da cidadania, da igualdade, dos direitos humanos e a educar por um ambiente mais sustentável e ecológico.

Jogo Educativo | Cidadania 4 KIDS

São jogos, quebra-cabeças, puzzles, sudokus e muito mais!
%d bloggers like this: