Guia para a concepção de cursos e materiais pedagógicos

Guia para a concepção de cursos e materiais pedagógicos

A proposta de trabalho apresentada neste Guia Metodológico visa promover a melhoria e reforço da qualidade das práticas de concepção e desenho de soluções e itinerários formativos pelas entidades formadoras e profissionais de formação.

Guia para a concepção de cursos e materiais pedagógicos

 

Visando dar uma resposta concerta a necessidades específicas veiculadas pelas entidades/indivíduos que intervêm na formação, o Instituto para a Qualidade na Formação, I.P., promove, com a apresentação deste documento, uma nova coleção dedicada ao ciclo da formação, fortemente localizada na disseminação e exploração de metodologias de apoio ao desenvolvimento de intervenções formativas.

O Guia Metodológico procura ser um dos contributos para a elevação da qualidade das práticas de concepção de intervenções formativas e uma ajuda à melhoria e reforço da qualidade das práticas de concepção e desenho de soluções e itinerários formativos pelas entidades formadoras e profissionais de formação.

 

Públicos-alvo

Este guia tem como destinatários/as  finais entidades e/ou indivíduos que intervêm na formação profissional, com particular destaque para responsáveis pelo desenvolvimento de ações dirigidas a activos empregados.

As propostas metodológicas apresentadas neste guia poderão todavia apoiar as entidades / indivíduos na construção de soluções formativas dirigidas a outros públicos, mediante a introdução no modelo de concepção proposto de ajustamentos que visem dar resposta a necessidades específicas dos diferentes públicos-alvo.

 


O Guia encontra-se estruturado em cinco blocos principais:

1. A Introdução

Neste bloco apresentam-se os objectivos deste Guia Metodológico, explicitam-se as necessidades a que procura dar resposta, caracteriza-se de forma breve o seu público-alvo, discutem-se as opções metodológicas seguidas, refere-se a sua organização e sugerem-se mecanismos de apropriação e exploração da metodologia de concepção proposta.

 

2. A apresentação do modelo de concepção ADORA

Neste bloco do guia são apresentadas, de forma sumária, as várias fases e processos do modelo de concepção proposto, com destaque para os dois enfoques distintos do modelo (perspectiva sistémica e sistemática), assim como para os outputs finais de cada um dos processos de concepção a desenvolver.

 

3. O Auto diagnóstico a efectuar pela entidade

O convite ao utilizador para a realização de um auto-diagnóstico, relativamente às suas próprias práticas de concepção,surge neste bloco do guia. O exercício proposto visa ajudar o utilizador a identificar eventuais aspectos a melhorar ou a consolidar, aconselhando-o, no final do diagnóstico, a uma reflexão sobre as melhorias a implementar nas suas práticas, através da sinalização das fases de concepção do modelo ADORA,para onde são recomendados investimentos e devem ser canalizados esforços de aperfeiçoamento das soluções e produtos formativos.

 

4. O desenvolvimento do modelo de concepção ADORA

Neste bloco são desenvolvidas as fases de concepção, demonstram-se os principais processos a cumprir em cada fase e operacionalizam-se os instrumentos necessários à realização de cada processo.

 

5. O controlo da aplicação das várias fases do modelo de concepção ADORA

Trata-se da última parte do guia e visa sensibilizar as entidades/indivíduos, que realizam formação, para a importância da implementação de procedimentos de controlo e acompanhamento das respectivas práticas de concepção da formação.

Associação ACEGIS - ONGD

Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social