22 de julho: Dia Europeu de Ação pelas Vítimas de Crimes de Ódio

  • Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social

    A ACEGIS reconhece-se enquanto entidade de referência nas áreas estratégicas da cidadania, inclusão, igualdade de género, empreendedorismo e inovação social. Intervimos ativamente pela construção de uma sociedade mais justa, paritária e inclusiva!

  • A escravatura moderna engloba conceitos como o tráfico humano, servidão, trabalho forçado, trabalho infantil, casamento forçado, exploração sexual, exploração para pagamento de dívida. 2 de dezembro - Dia Internacional da Abolição da Escravatura Artigo - Associação ACEGIS 40,3 Milhões: o número da vergonha da escravatura moderna no século XXI Uma em cada quatro vítimas de […]

22 de julho: Dia Europeu de Ação pelas Vítimas de Crimes de Ódio

18 Julho, 2017
/ / /
Comments Closed

22 de julho: Dia Europeu de Ação pelas Vítimas de Crimes de Ódio

Muitos crimes de ódio continuam a não ser denunciados, a não ser objeto de qualquer processo judicial, permanecendo assim invisíveis.
Porém, os esforços para combater os crimes de ódio só podem ter êxito se as vítimas relatarem os crimes de que foram alvo, e se os vários atores responsáveis fizerem a sua parte para garantir que os autores do crime sejam apresentados perante a justiça.


A 22 de julho de 2011, em Utøya e Oslo, na Noruega, foram massacradas 77 pessoas em ataques motivados pela ideologia de extrema-direita e pelo ódio racista. Trazido à justiça, o agressor considerou serem todas estas pessoas traidoras por apoiar a imigração e o multiculturalismo.
O discurso e crimes de ódio são mais do que um crime individual, são agressões colectivas e contra os direitos humanos. A incitação ao ódio e violência afeta toda a sociedade e motiva o aumento da discriminação e do preconceito sobre os grupos minoritários e mais vulneráveis, em particular as minorias étnicas, comunidades de imigrante e mais recentemente os refugiados.
Efetivamente assistimos cada vez mais ao aumento de discursos de ódio, motivados pelo racismo, pela xenofobia, pela intolerância religiosa ou pela deficiência, orientação sexual ou identidade de género de uma pessoa.
Lembramos que os artigos 1.º, 10.º, 21.º e 47.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia proíbe a discriminação, e garante o direito: à dignidade do ser humano; à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; à não discriminação; e à ação e a um tribunal imparcial.
Apesar da Carta dos Direitos Fundamentais e dos esforços da União Europeia em combater a discriminação e a intolerância os crime de ódio, a realidade demostra que a situação não está a melhor. Antes pelo contrário.
Muito embora possamos afirmar que o discursos do ódio, da violência e da discriminação não são novos – infelizmente – tem vindo a assumir novos contextos na Europa e um pouco por todo o mundo, motivados pelo racismo, pela xenofobia, pela intolerância religiosa ou pela deficiência, orientação sexual ou identidade de género de uma pessoa.
Fatores-chave que impedem o acesso das vítimas à justiça
De acordo com o último relatório da Agência Europeia dos Direitos Fundamentais (FRA), “Garantir a  justiça para vítimas de crimes de ódio: perspetivas profissionais”, concluiu que a maioria dos crimes de ódio perpetrados na UE continua a ser não declarada e, portanto, invisível, deixando vítimas sem reparação.
Efetivamente as vítimas de crimes de ódio têm relutância em denunciar os crimes, seja a autoridades competentes para a aplicação da lei, ou por fatores organizacionais e processuais que impedem o acesso das vítimas à justiça.
De acordo com este relatório, os principais fatores impedem o acesso das vítimas à justiça e a denunciar os crimes de ódio:
  1. sentimentos de medo, culpa ou vergonha;
  2. falta de confiança na justiça e na s autoridades;
  3. e o desconhecimento dos direitos e  dos serviços de apoio disponíveis no apoio a vítimas de ódio.
Recomendações da Agência Europeia dos Direitos Fundamentais (FRA)


“Os Estados-Membros da UE deveriam pensar em intensificar os seus esforços para se aproximarem proativamente das vítimas de crimes de ódio, incentivando a  sua denúncia, inclusive através da introdução de ferramentas em linha para o efeito e da criação de unidades policiais especializadas” (FRA).
  1. Necessidade da adoção de medidas que facilitem a denúncia de crimes de ódio.
  2. Ir ao encontro das vítimas e incentivá-las a participar os crimes, bem como incentivar e promover a possibilidade de apresentação de denúncias poder ser feita por terceiros, como um meio de superar a baixa taxa de denúncia.
  3. Necessidade de adopção de uma legislação que abranja todas as categorias de discriminação e de infrações específicas por crime de ódio no direito penal que cubram as formas mais frequentes de crimes de ódio ( agressões, vandalismo e insulto), e de forma a  garantir que os autores do crime sejam apresentados perante a justiça.
  4. Sensibilizar os/as profissionais – agentes da polícia, procuradores e juízes – para a necessidade de reconhecer as vítimas de crimes de ódio como vítimas de discriminação grave e de forma a assegurar que as vítimas de crimes de ódio possam denunciar crimes sem enfrentar a vitimização repetida.
Muitos crimes de ódio continuam a não ser denunciados, a não ser objeto de qualquer processo judicial, permanecendo assim invisíveis.
Porém, os esforços para combater os crimes de ódio só podem ter êxito se as vítimas relatarem os crimes de que foram alvo, e se os vários atores responsáveis fizerem a sua parte para garantir que os autores do crime sejam apresentados perante a justiça.
por Susana Pereira
Faça parte do movimento contra o discurso de ódio,  https://www.nohatespeechmovement.org/ 

Documentos de referência
Relatório da Agência Europeia dos Direitos Fundamentais (FRA)
 “Garantir justiça para vítimas de crimes de ódio: perspectivas profissionais” – Resumo

.

Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia

 

About Author

About ACEGIS

ACEGIS – Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social

Comments are closed.

  • Jogo Educativo – Cidadania 4Kids!

  • UMA FORMA DIVERTIDA DE APRENDER CIDADANIA!

    São jogos, quebra-cabeças, puzzles, sudokus e muito mais!

    100% Português. 100% Solidário.

    Ao COMPRAR está a APOIAR a Associação ACEGIS!

  • ECONOMIA SOCIAL EM DESTAQUE | ATUALIDADEInformação e atualidade no âmbito da Economia Social e Solidária

    III Edição do Concurso de Apoio à Formação Internacional de Quadros de ONGD

    12 Dezembro, 2017
    Saiba mais O processo de candidaturas decorrerá até dia 16 de fevereiro e as formações deverão decorrer até novembro de 2018. A Fundação Calouste Gulbenkian e a Plataforma Portuguesa das ONGD lançam pelo terceiro ano consecutivo o Concurso de apoio à formação internacional de quadros de ONGD.A formação destina-se a Diretores/as, Gestores/as e Coordenadores/as de […]

    Apresentação do livro “Violências de género” |12 dez., Lisboa

    11 Dezembro, 2017
    1 Apresentação do livro "Violências de Género", a primeira publicação de uma nova coleção dedicada aos Estudos de Género do CIEG - ISCSP-ULisboa. Apresentação do livro “Violências de género” do CIEG A sessão de apresentação realiza-se no dia 12 de dezembro de 2017, na Sala Monsanto do Instituto, pelas 18 horas. Mais informações aqui No […]
40 visitantes ligados agora
7 visitantes, 33 bots, 0 membros
JOGO EDUCATIVO – CIDADANIA 4KIDS!
Um JOGO DESAFIANTE  que ensina às crianças os valores da CIDADANIA, da IGUALDADE, dos DIREITOS HUMANOS e a EDUCAR por um AMBIENTE mais sustentável e ecológico.
Cidadania. Ambiente. Direitos Humanos. Direitos da Criança.

 
100% Português. 100% Solidário.  Jogo Desenvolvido pela ASSOCIAÇÃO ACEGIS.
 
%d bloggers like this: