Discurso “I Have a Dream” de Luther King faz hoje 53 anos

Discurso “I Have a Dream” de Luther King faz hoje 53 anos

«Eu tenho um sonho. O sonho de ver os meus filhos a serem julgados pela sua personalidade e não pela cor da sua pele
M.Luther KING_ACEGIS

Há 53 anos Martin Luther King fez um discurso que ajudou a mudar os Estados Unidos da América e o mundo. Foi a 28 de agosto de 1963 em Washington, Martin Luther King proferiu um dos mais belos discursos de todos os tempos na história da humanidade.
Foi em Washington, e no mesmo local onde se encontra a estátua do Presidente  Abraham Lincoln, responsável pela aprovação da 13ª Emenda à Constituição americana, que tornou ilegal a escravidão nos Estados Unidos. 
Duzentas e cinquenta mil pessoas assistiram ao vivo, diante do Lincoln Memorial. Milhões viram-no na televisão ou ouviram-no na rádio. As três televisões que existiam na altura cobriram o discurso ao vivo. Ao longo dos 55 minutos, Martin Luther King repete a frase “I Have a Dream” oito vezes. 
Martin Luther King, nunca desistiu do sonho de ver “filhos de ex-escravos e filhos de ex-proprietários de escravos sentados à mesa da fraternidade”.
Um ano depois deste discurso, em 1964, Martin Luther King ganhou o Prêmio Nobel da Paz, sendo na altura a pessoa mais jovem a receber este galardão, com 35 anos de idade. Em 1968, o Dr. Martin Luther King foi assassinado enquanto estava na varanda do hotel onde estava hospedado.
«Eu tenho um sonho. O sonho de ver os meus filhos a serem julgados pela sua personalidade e não pela cor da sua pele

53 anos depois, o que nós estamos a fazer para manter o sonho vivo, o sonho de Martin Luther King?

53 anos depois, o sonho continua por realizar. O que assistimos hoje na Europa, com a crise dos refugiados, é a utilização dos mesmos argumentos. Os mesmos julgamentos.
Hoje, homens, mulheres e crianças continuam a ser julgados(as) pela cor de pele, pela religião, pela nacionalidade, pela aparência, por uma peça de vestuário.

.

53 anos depois, perguntamos:  o que estamos nós a fazer para manter o sonho vivo?

#KeeptheDreamAlive!

 

 

por Susana Pereira
Fundadora da ACEGIS